domingo, 25 de setembro de 2016

Reforma no Ensino Médio Brasileiro.






O Grande Filosofo da vida, Raul Seixas, escreveu em uma de suas músicas: “- É pena não ser burro! Não sofria tanto” – Música - Só pra Variar.

Na nossa tão sonhada reforma educacional, inclusive, tão sonhada pelo ilustre filósofo Paulo Freire, o autoritarismo ainda se faz presente na antiga capitania hereditária do Brasil.

O Ministério da Educação diz que empenhou um longo debate com a população brasileira, através, acreditem, dos secretários de educação nos vários níveis de governo (estadual, municipal) brasileiro.

Verdade!

Sim, secretários políticos, ou políticos secretários de educação, falaram em meu nome sem me consultarem sobre os pontos que eu entendo como necessários a esta reforma, ou até mesmo, sobre os pontos que entendo como positivos.

DOS POSITIVOS, inclusive, entendo que a permanência da criança e do jovem na escola é mais que necessária, desde que, questões sociológicas, como a pobreza da merenda escolar (furtada na maioria das vezes) seja realmente fiscalizada. Nunca entendi o fato da criança ficar na escola em um período e no outro ficar ociosa na maioria das vezes ou obrigada a trabalhar para ajudar sua família. Ato contínuo, que a pobreza institucional de condições básicas de fornecimento da educação seja realmente financiada sem furtos dos cofres públicos. E que OS PROFESSORES, profissionais que formam todos os demais profissionais deste país, com exceção dos políticos (estes não precisam estudar política, filosofia, economia, sociologia, estratégia e etc;  para exercerem a profissão de POLÍTICO), precisam ser MERECIDAMENTE recompensados com o reconhecimento profissional e salários dignos ao exercício da atividade (no Brasil, educação, saúde e moradia precisam de uma governabilidade própria, longe do governo central).

DE FORMA NEGATIVA, a imposição da escolha, ou seja, o governo através do Ministério da Educação escolhe o que deve ser estudado de forma antecipada, sem querer ouvir o consumidor final – Estudante, sobre o que ele quer estudar. E o pior, não escuta os professores sobre o que eles querem ensinar. É o velho autoritarismo imperial, sempre presente na vida dos escravos coloniais brasileiros.

E para não dizerem que não falei em flores, que tal deixar o sistema em aberto, sendo adaptado às necessidades de cada região brasileira, pois dizer que escola integral vai funcionar no meio do sertão brasileiro, sem água, banheiro, transporte, alimentação, professores e etc; é querer contar um conto da carochinha (contos do faz de conta). Que tal tirarmos a educação das mãos dos Estados e Municípios e criarmos, órgãos ligados diretamente ao governo federal, gerenciados por conselhos de professores, alunos e gestores especializados para o gerenciamento da educação.

E o que é mais evidente, quando condiciono e limito o que deve ser estudado, retirando algumas matérias e impondo outras da grade escolar, o faço como Maquiavel, direciono a massa para o controle ideal de educação. Não crio seres pensantes, crio seres frágeis e dominados, pois retiro a oportunidade de escolha (perde-se a possibilidade de várias cabeças pensantes em várias áreas do saber).

Que tal oferecermos todas as matérias e o estudante escolhendo o que melhor lhes interessam, pois assim estaríamos fazendo da escola uma possibilidade de liberdade e não de encarceramento ideológico. Talvez no futuro as pessoas tenham prazer de não serem burros, e queiram entender o que realmente acontece no país das bananas e veredas tropicais.

Aplicar o sistema de reforma é mais que necessário, mas como aplicá-lo precisa de uma melhor discussão, principalmente nas áreas isoladas do país, onde grupos se alternam no poder político há séculos e já perceberam que 70% da população ainda quer “pão e circo”.

Outra questão, enquanto não acabarmos com os partidos políticos no Brasil, e, termos políticos livres e individuais, com idéias próprias e decisões não corporativistas, viveremos esta eterna luta entre o bem e o mal, (maniqueísmo) que infelizmente só existe no coração dos homens.

Para finalizar, esperamos um dia sermos um só país chamado PLANETA TERRA, nem que tenhamos que começar ou recomeçar pela capitania hereditária do Brasil.

Aratanan





Um comentário:

Leonardo Ramos disse...

Sim, a maior forma de domínio é pela escravidão pela ausência de conhecimento. Acabamos nos tornando mortos vivos/ fantoches de uma governança que apenas deseja sugar o que temos de melhor ou pior via ilusão projetada. O conhecimento vai além tumulo e persiste junto ao espírito para ampliar nossa consciência astral. Libertem-se. Abs, caro Aratanan!